03 março, 2009

Schadenfreude

Os alemães têm esta palavra que lhes dá um jeitão. É a alegria que se sente com o mal dos outros.
Neste caso, não com o infortúnio dos islandeses, mas pela demonstração da estupidez que levou ao seu descalabro.
Fiz um pesquisa rápida de "Tigre Islandês", como era conhecido o país nos anos de crescimento a 6%. Saiu-me este texto de um site brasileiro, chamado Instituto Federalista e sobre o qual não sei mais nada.

Apenas algumas citações:

Os economistas falam no novo tigre europeu. Com 6% de crescimento do PIB em 2005, a Islândia ultrapassa outros países europeus. O Instituto Internacional de Desenvolvimento de Gestão Suíço classificou o país como a economia mais competitiva da Europa, em maio de 2005. Desde meados dos anos 90, o governo de centro-direita promoveu reformas de livre mercado, privatizando bancos, reduzindo impostos - empresas pagam somente 18% sobre os lucros, comparados com os 50% anteriormente - e desfazendo-se dos controles sobre os preços. A projeção da taxa de inflação até meados de 2007 é de 3,9% ao ano. A maior parte deste crescimento econômico se deve ao Primeiro Ministro David Oddsson e suas ações liberalizantes.
....
Por que a Islândia mudou? A tendência internacional em direção a liberalização econômica foi peça chave. Economistas de livre mercado como Friedrich von Hayek, James M. Buchanan e Milton Friedman visitaram o país nos anos 80, influenciando não somente o Sr. Oddsson mas muitos de sua geração. Na batalha das idéias, havia um reconhecimento em comum de que os velhos métodos não funcionavam. A inflação estava causando malefícios, as empresas estatais eram ineficientes e os subsídios eram caros. As idéias conspiraram com as circunstâncias para trazer as reformas econômicas bem sucedidas. E as idéias têm conseqüências...
Oh se têm.

.

3 comentários:

once disse...

.. das poucas loanwords a que os ingleses se permitem, de facto.

Claro que quando aplicada ao The Three Stooges, por exemplo, tem realmente .. graça!

L. Rodrigues disse...

Creio que foi Gore Vidal que disse

"It's not enough to succeed, others must fail".
Na altura interpretei isto como sendo atribuido a uma forma de pensar especifica de um certo tipo de pessoas.

Creio que esta verdade é capaz de ser mais profunda e universal, afinal.

Mike disse...

E com o mal dos outros podemos nós bem. Oh se podemos!