14 março, 2006

Ofereço a um poeta.

Comecei a pensar na natureza do Tempo, a propósito de algo que li num blog amigo, e cheguei a isto:

O Tempo é aquilo com que se compra o Amor.

Se fosse um poeta, faria um poema. Não sendo, fica aqui a oferta.

10 comentários:

João Villalobos disse...

Depreendendo que o blogue amigo foi o nosso, aqui fica o Obrigado!
:)

L. Rodrigues disse...

Ooops, JV. :), não foi... mas podia bem ter sido.

A disse...

Ai credo... não gosto da palavra "comprar"!
Gere lá essa furia de maneira mais meiga fáchavôr!;) Talvez o tempo tenda a ser mais unificado ou então ultrapasse a velocidade da luz e viagemos no futuro ao passado quando se trocava amor por amor.
Ai cum caraças, que devo tar a delirar já...:)))))

P agora com 43 disse...

Versão privada da relação Tempo vs AmoR: A nossa "eternidade" está no tempo e no modo em que ficamos na memória daqueles que amamos ou por quem fomos amados. fim de dia 14 .P

L. Rodrigues disse...

Pensei apenas que quando dou todo o meu tempo a alguém isso é indistinguível do amor. E agora que pensei ainda um pouco mais nisso, do ódio também.

sm disse...

Eu achei que foi mesmo no ponto: dá-se tempo a quem se ama e a atenção dispensada traduz-se em interesse e estima, o qual, já de si, pode ser uma forma de amor e pode tender a crescer.
(sinto-me a repetir o óbvio,como se se explicasse uma graça e assim a destruisse, mas termino no mesmo tom: o tempo é a moeda de troca do amor.)

José, o Alfredo disse...

Santo Agostinho punha assim a coisa: "O que é então o tempo? Se ninguém me perguntar, eu sei o que é. Se quiser explicá-lo a quem me perguntar, já não sei". O tempo, tal como o amor, foge-nos a todos. Só os poetas conseguem, de vez em quando, aproximar-se.

A disse...

É...A palavra "troca" está mais de acordo comigo, quando se relaciona o Tempo ao Amor.Parte mais da vontade e conjugação de acasos do que da necessidade que fará sempre o amor refem do tempo...
O que falava o tal blog amigo era apenas duma coisa bem mais simples, ou não, O Tempo relativo e as viagens no Tempo.
Foi-me "encomendada" a explicação pelo "amigo";)

Fellao disse...

Não sei se o tempo compra o amor, mas no mínimo, estão relacionados. Diria até, que o amor tem mais influência no tempo do que o contrário. O amor começa por distorcer o tempo. Sendo o tempo uma constante e com o amor a noção do mesmo varia radicalmente, concluimos que o amor é uma variável. Logo se tivermos muito amor temos mais tempo. Logo o amor compra o tempo. Infelizmente a falta de amor rouba-nos tempo. António Feijó dizia, no seu poema "Amor e o tempo", que o amor tende a acabar com o tempo, e vice versa, acrescento eu.

maria disse...

;)