14 fevereiro, 2006

Exorbitantes metades

Uma coisa que me deixa sempre infinitamente intrigado é a constatação de que as mulheres se queixam de que não há homens. Por vezes vem com um "de jeito" agarrado, o que ainda pressupõe que sim, que há mas não prestam, e aí ainda se pode colocar o ónus no irrealista grau de exigência de quem faz a afirmação... mas a verdade é que é assim, ao que parece cada vez há menos homens "elegíveis".

Tenho uma teoria:

Baseia-se em alguns factos psicológicos e sociológicos.

Facto psicológico: as mulheres escolhem o parceiro (depois da inteligência e bondade) por critérios de status, riqueza, estabilidade ou, se os parceiros forem demasiado jovens para os ter, pelo seu potencial para os adquirir.
(antes que as senhoras se revoltem, não estou a inventar nem a recorrer a clichés, refiro-me a um estudo feito pelo psicólogo David Buss em 37 sociedades diferentes um pouco por todo o mundo, pode ser consultado aqui)

Facto sociológico: há muito mais mulheres a ter a sua própria capacidade financeira, status, riqueza e estabilidade.

Facto Psicológico: Mulheres que têm essas qualidades continuam a procurá-las (na verdade ainda as valorizam mais) nos homens. A tendência é sempre para olhar para cima na escala social.

Facto sociológico (e económico e político): As sociedades modernas, nomeadamente a "ocidental" e Portugal talvez mais que o resto da Europa, estão cada vez mais polarizadas entre ricos e pobres, ou seja a faixa dos homens que se apresentam como elegíveis é progressivamente mais pequena, com o estreitamento das classes médias.

Já estão a ver onde estou a chegar... a culpa das mulheres não encontrarem homens que achem atraentes é do neo-liberalismo. De todos os males que aquilo traz ao mundo, acreditem que este não será o mais trivial.
Por outro lado, poucas coisas são tão passíveis de causar uma revolução como a defesa de um lugar na herança genética da espécie. As sementes da mudança podem estar nos testículos e ovários dos destituidos.

8 comentários:

Anónimo disse...

Pois é... Coitadinhas das mulheres... O malandro do capitalismo, esse gajo, estragou-lhes o projecto de ninho...ó pra elas tão tristes e desvalidas...
Mas os destituidos estão a tomar o poder.Haja esperança!
Hoje é dia dos namorados e não me parece que os comerciantes capitalistas se queixem.Estranho...
Vá-se lá perceber este mundo, ó mestre designorado;)
A.

L. Rodrigues disse...

Quanto sarcasmo :). A verdade é que as mulheres estão cada vez mais "validas". As suas estratégias e instintos é que também não estão adaptadas a essa nova realidade. Mas isso é o trabalho daquilo que, com esforço e fragilidade, nos liberta das grilhetas da natureza, a cultura, a ética, os ideais..

João Villalobos disse...

Só não percebo uma coisa. A inteligência, a bondade, a massa...então e o corpinho. A detecção dos genes geradores de machos alfa? Não conta?!

João Villalobos disse...

E outra. Por que é que esta trampa não contabiliza os meus comentários?

L. Rodrigues disse...

JV: esta trampa anda a contabilizar mal, anda. Quanto ao corpinho, é menos importante para as mulheres que para os homens. Além disso estamos a falar na escolha de maridos. Relações de longa duração. O corpinho vem depois, nas prioridades. Uma mulher pode sempre ser infiel se quiser ter um filho alfa2, o marido alfa1 é que é melhor não saber...

maria disse...

gosto do teu sarcasmo. :) nem vale a pena pedir-te para não mudares porque sinto ser esta a tua natureza...
um beijo.

L. Rodrigues disse...

Maria: obrigado pelo encorajamento, mas de facto é algo que não me exige esforço...

redonda disse...

E os homens escolhem a parceira por critérios de...