30 abril, 2008

Fat business

"For 30 years, global trade policies have been based on the assumption that what's good for business is good for all of us too. And food price rises have certainly been good for business. It may seem outrageous that some of the poorest people in the world can't buy food, while shareholders are laughing all the way to the bank. But, in the insane logic of the world economy today, we should all be happy because company profits are growing."


O caso do Haiti, citado abaixo, é apenas mais um. A administração Clinton apoiou o regresso de Aristide ao poder em 95, depois de um golpe de estado que o depôs, na condição de que ele "abrisse" a economia do país. E o resto, como eles dizem, "is History". Houve um forte desincentivo aos agricultores locais face à concorrência americana, ficaram provavelmente algumas"cash crops", e agora que os preços das importações apertam, não há meios internos de produção de comida nem dinheiro para pagar a que vem de fora.

4 comentários:

Once In a While disse...

"insane logic" .. nem mais.
Como é que os accionistas da empresa "barrigas vazias" dormem sossegados é que já é outra questão.

Mike disse...

O eterno estigma do Big Brother. Ou julgar o corruptor, esquecendo o corrupto. Ou levantar o dedo acusador aos EUA, Canadá, França ou UK, esquecendo que temos outro dedo indicador, que devia também ser acusador de personagens como Papa e Baby Doc Duvalier, Idi Amin, Mobutu ou Mugabe. Esses que governam os seus países é que matam criancinhas. Para mim essa é uma ironia que mata.

L. Rodrigues disse...

Mike,
Esses personagens, odiosos que sejam, não têm muito que ver com a presente crise alimentar.

Custa assim tanto aceitar que de repente se inflacionou o "commodity market" porque os "investidores" procuram o próximo lucro fácil, agora que os mercados financeiros estão em cheque?

E lá no outro post, a criancinha que morre com a ironia, é a que cada um devia ter dentro de si...

Mike disse...

Não l., de facto não custa aceitar, aí estamos de acordo. Já quanto aos odiosos não terem muito a ver com a presente crise alimentar...
Eu percebi lá no outro post, a sério. Talvez devesse ter refriado a brincadeira, ou talvez o teu humor não esteja nos seus melhores dias. Ou talvez as duas coisas...