10 dezembro, 2007

Peace Liberty and Revenge for all

Uma história escabrosa ocorrida do lado de lá do Atlântico.
Um miúdo de 20 anos empresta um carro a um amigo. O amigo vai com outras pessoas a casa de um dealer e a filha deste é morta. O miúdo que emprestou o carro apanha prisão perpétua.

"No car, no murder" disse o promotor.

Como disse um amigo meu ao saber desta história,
"Então e os fabricantes de roupas? Se eles estivessem nus, não tinham saído de casa."

Via A Tiny Revolution.

5 comentários:

O Réprobo disse...

Meu Caro L.Rodrigues,
é o mesmo país que apresenta a julgamento as portadoras de carta de condução caducadas acprrentadas de pés, mãos e cintura, não é?
Está no Youtube...
Ab.

Mike disse...

Com a roupa o problema não se coloca... a não ser que tivesse sido emprestada.

José Luiz Sarmento disse...

É um país em que as famílias das vítimas assistem à execução dos criminosos... Como se a função da justiça fosse gerir a vingança em vez de proteger a sociedade.

L. Rodrigues disse...

E se eles tivessem ido de taxi?

José Luiz Sarmento disse...

Lá na terra não deve haver táxis. Nem transportes públicos. Só assim se compreende que o promotor público tenha dito "no car, no murder".
Já agora: e quem é que vendeu a arma do crime? Também foi condenado?