10 novembro, 2008

Agora, é preciso apanhar as canas.

Através dos Ladrões de Bicicletas cheguei a este artigo de Joseph Stiglitz "Turn left for Growth".
Acho que nunca encontrei uma síntese tão boa sobre o que deve ser a economia política do século 21. Trata-se essencialmente de contrapor posições de direita e esquerda e filosofias de recuperação económica opostas. Note-se que "esquerda" aqui tem mais que ver com o espectro politico americano do que Europeu. Presumo que o pensamento de Stiglitz não seja propriamente Marxista,... Ainda assim, é à esquerda do que tem sido a politica económica europeia.

Ao inicio do artigo, ia de pé atrás. Já deixei de acreditar no imperativo do crescimento, pelo menos contabilizado como tem sido. Uma economia que cresce 3% duplica em 23 anos, mais coisa menos coisa. Nesse período consome tantos recursos como em toda a sua história. Ou seja, se desde que há petróleo se consumiram 100, nos próximos 23 anos, vão ser consumidos outros 100. Qualquer medida responsável de performance económica deverá focar-se em factores de sustentabilidade.

Assim aqui ficam alguns, poucos, destaques. (sendo que o artigo não é assim tão grande):

"Growth is not just a matter of increasing GDP. It must be sustainable: growth based on environmental degradation, a debt-financed consumption binge, or the exploitation of scarce natural resources, without reinvesting the proceeds, is not sustainable."
....
"Growth also must be inclusive; at least a majority of citizens must benefit. Trickle-down economics does not work: an increase in GDP can actually leave most citizens worse off. America’s recent growth was neither economically sustainable nor inclusive. Most Americans are worse off today than they were seven years ago. "
.....
"A modern economy also requires risk-taking. Individuals are more willing to take risks if there is a good safety net. If not, citizens may demand protection from foreign competition. Social protection is more efficient than protectionism. "
...

"Defenders of markets sometimes admit that they do fail, even disastrously, but they claim that markets are “self-correcting.” During the Great Depression, similar arguments were heard: government need not do anything, because markets would restore the economy to full employment in the long run . But, as John Maynard Keynes famously put it, in the long run we are all dead. "

Vale mesmo a pena ler . No final, fala em escolhas e em votos, numa clara alusão às eleições agora resolvidas. Tomara que o candidato vencedor o tenha lido e, já agora, quem por aqui afirmando-se de esquerda, acha que não precisa de realmente o ser.

3 comentários:

José, o Alfredo disse...

Proponho a substituição do mais que estafado 'É a economia, estúpido' por um actualizado ''É a estupidez, economista'.

Estava eu na economia disse...

Bom texto, ocorreu-me e pensei nele hoje no taxi. Entusiasmei-me com a questão e com os meus botões, quando dei por mim o taxista já me tinha tomado por estupida e tomado outro rumo mais longo...
Excelente comentário, o do alfredo.

L. Rodrigues disse...

A economia já te fez perder dinheiro...